45 3222-2112    bwa@bwaconsultoria.com.br



Ipardes mostra que quatro regiões lideram geração de emprego no Paraná

Levantamento realizado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), com base nos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), mostra que, apesar da retração no mercado de trabalho, quatro regiões do Paraná continuam a gerar saldos positivos de vagas no Estado.

A região que mais criou empregos é o Sudoeste, que acumula, de janeiro a novembro de 2016, um saldo positivo (entre admitidos e demitidos) de 2.470 vagas. Em seguida vem o Norte Pioneiro, com 1.035 vagas. A região Oeste ficou em terceiro, com 579 empregos de saldo positivo, e o Sudeste, que tem como polo União da Vitória, em quarto lugar, com 467 vagas.

“O levantamento mostra que o Interior continua, ainda que com saldos pequenos, a gerar vagas. Os municípios do Interior têm tido resultados melhores do que a Capital. Isso se deve, principalmente, à desconcentração da economia do Estado nos últimos anos e a redução das desigualdades regionais”, diz Julio Suzuki Junior, diretor presidente do Ipardes.

De acordo com ele, o desemprego maior está concentrado na Região de Curitiba, que é responsável por 67% do saldo negativo de vagas no Estado, reflexo sobretudo da retração da indústria. De janeiro a novembro, o Estado acumula, no geral, um saldo negativo de 28,9 mil vagas, das quais 19,5 mil na Região Metropolitana de Curitiba.

No Sudoeste, região que tem como polos cidades como Pato Branco e Francisco Beltrão, os empregos estão sendo puxados por obras de infraestrutura, com 915 vagas; pelo setor de fabricação de artigos de vestuário e acessórios, com 742, e produtos alimentícios, com 398 vagas.

A região abriga um Arranjo Produtivo Local (APL) de vestuário, tem cooperativas com forte atuação em carnes e lácteos e vem recebendo investimentos na área de rodovias, como pavimentação e duplicação de estradas.

No Norte Pioneiro, das 1035 vagas de saldo gerado no acumulado do ano, 639 foram do setor de confecção de artigos de vestuário e acessórios. O segundo lugar em geração de vagas é o setor de serviços para edificação e atividades paisagísticas, com 262 vagas. “O que pode ser explicado pelo crescimento da construção de casas de alto padrão na região do Paranapanema”, diz Suzuki Junior.

No Oeste, o comércio varejista foi o grande destaque na geração de vagas, com forte participação de cidades como Cascavel, Toledo e Foz do Iguaçu. Somente o comércio varejista criou 613 vagas e o setor de educação abriu 533 novas vagas. No Sudeste, o destaque foi a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, com 196 vagas geradas, comércio atacadista (135) e a fabricação de produtos de madeira (124).

De acordo com Suzuki Júnior, o Interior deve continuar a ter um desempenho mais positivo em 2017. A expectativa de uma boa safra de grãos, que deve ser colhida a partir de fevereiro, deve beneficiar o mercado de trabalho nas regiões produtoras.

Mas a previsão é que uma retomada da geração de vagas em todo o Estado ocorra somente a partir do segundo semestre. O Paraná, graças principalmente ao Interior, mantém uma taxa de desemprego menor do que a média nacional. “O Estado tem uma taxa de 8,5% contra 12% do Brasil. Devemos ter uma estabilidade na taxa no primeiro semestre e a partir da segunda metade do ano uma melhora”, afirma Suzuki Júnior.

Créditos: Suzuki Júnior

Fonte: www.ipardes.gov.br